Nesta segunda-feira (7),12 militantes do MST iniciam a terceira semana de aula do curso de massoterapia, realizado pelo setor de saúde do Movimento, na cidade de Nossa Senhora de Glória (Sertão de Sergipe).

O objetivo do curso é formar massoterapeutas para atender à população nas áreas de assentamentos e acampamentos.

Segundo Cristiane Costa Santana Zurkinden, massoterapeuta, médica e militante do MST, a população rural apresenta um alto índice de doenças osteomioarticulares (que afetam os ossos, os músculos e as articulações), devidas à punibilidade do trabalho no campo.

As técnicas de massoterapia podem ajudar tanto no processo de recuperação quanto na prevenção dessas doenças. Mas elas esbarram no descaso do poder público.

“A ausência de uma política de prevenção, assim como a demora das prefeituras em implantar as práticas integrativas e complementares de saúde tendem a piorar a situação”, afirma Cristiane.

Além de formar massoterapeutas atuando nas áreas de Reforma Agrária, o curso visa também incentivar as prefeituras a implantar estas práticas complementares.

Para Raimundo de Souza Kayam, militante do setor de saúde, acampado no acampamento Luis Alberto (município de Cristinápolis), “com este curso, uma grande semente está sendo plantada.”

O curso é organizado em parceria com o Centro Comunitário de Formação em Agropecuária Dom José Brandão de Castro (Cefac) e a secretaria municipal de saúde de Nossa Senhora da Glória. Ele tem uma duração de um mês e combina aulas teóricas e práticas, tempo de estudo, assim como 20 horas de estágio prático.