Fonte: Diário Popular (Pelotas), 16/07/2014
Por: Cássia Medronha

 

Evento na sede da Embrapa Clima Temperado reuniu guardiões de espécies vegetais e animais

As sementes crioulas são as adaptadas ao ambiente específico de determinado local ao longo de muitos anos. (Foto: Paulo Lanzetta - Especial DP) (Foto: )

As sementes crioulas são as adaptadas ao ambiente específico de determinado local ao longo de muitos anos. (Foto: Paulo Lanzetta – Especial DP)

“Descobri naquele momento que aquela era a minha cota com a humanidade”, descreve agricultor Juarez Felipi Pereira, do município de Barra do Ribeiro. Ele conta que há 12 anos se identifica com uma responsabilidade e viveu um momento especial na sua vida ao se dar conta desse papel.

Após trabalhar por 30 anos na atividade agrícola convencional, passou por um período de reeducação alimentar e converteu a produção para o cultivo orgânico. Na tentativa de resgatar variedades crioulas, como o arroz farroupilha presente em sua família por mais de 80 anos, conta ter tido uma especial lembrança do que já fazia com sete anos de idade. Foi então que desabafou com os olhos cheios d’água a citação do início desta matéria. “Foi um momento fantástico, cheio de vida”, completa Juarez.

Hoje com 56 anos, mantém 36 variedades de arroz crioulo, 12 com destino comercial em feiras. O autoconhecimento fez com que o agricultor agisse imitando um pesquisador, fazendo relatórios dos seus cultivos sem saber se um dia seriam vistos e sem imaginar que, mais tarde, seria chamado de guardião de sementes crioulas de arroz.

Segundo o pesquisador da Embrapa Clima Temperado Irajá Antunes, as sementes crioulas são as adaptadas ao ambiente específico de determinado local ao longo de muitos anos. Cada uma adquire características regionais e culturais, contribuindo com a biodiversidade e segurança alimentar das famílias mantenedoras, já que se tornam mais resistentes e menos dependentes de insumos.

Os chamados guardiões são vistos atualmente praticamente como heróis, já que preservam o patrimônio cultural das espécies, proporcionam segurança alimentar para a humanidade e por toda a dedicação a que se submetem.

Troca de conhecimentos
Um evento iniciado na terça-feira (15) na sede da Embrapa Clima Temperado reuniu guardiões de espécies vegetais e animais de diversos municípios dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. A quarta edição do Seminário de Agrobiodiversidade e Segurança Alimentar lotou o auditório principal da instituição de pesquisa, em evento realizado em parceria com a Emater/RS, e que se encerra na quarta-feira, às 17h.

“Mais do que técnico, este seminário é humano, pois encara as experiências quase raras destes guardiões e as perspectivas de futuro para o setor”, explica Antunes. Ele acredita que a variedade crioula é um tipo de melhoramento genético feito pela seleção do próprio agricultor, que geralmente trabalha sozinho, com muita dedicação, de acordo com sua realidade.

O trabalho da pesquisa e da extensão é de resgate das variedades tradicionais, com procedências variadas, de sua recuperação, na busca do controle de geração dessas sementes, e de motivação dessa prática. “Dentro da programação desta edição será realizado um troca-troca de sementes entre os guardiões e agricultores participantes para estabelecimento de compartilhamento de saberes e, ainda, discutidos os avanços realizados a partir da carta aberta feita no seminário de 2013″, fala o pesquisador e coordenador do evento, Irajá Antunes.

Políticas Públicas
Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), apresentados pelo diretor da Conab, João Marcelo Intini, os melhores rendimentos econômicos estão concentrados nas menores propriedades, ou seja, na agricultura familiar.

Nos próximos dez anos a demanda por alimentos crescerá 20% e caberá ao Brasil atender 40% desse crescimento, grande parte pelas propriedades familiares. O constante avanço do país em produção de alimentos aponta que vamos continuar aumentando a produção e a exportação.

“Já comemos em quantidade suficiente, mas não na qualidade em que gostaríamos, e, apesar de ainda não ser o suficiente, avançou-se muito nos últimos anos nesse sentido”, afirma Intini, remetendo os resultados às políticas públicas que aproximaram o governo do diálogo com a sociedade no campo.

Para ele, um exemplo disso é o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) que está em 3.915 municípios do Brasil, envolvendo 185.979 famílias de quilombolas, indígenas e agricultores familiares. O diretor da Conab apresentou no Seminário um decreto que deve ser publicado nos próximos dias sobre o PAA Sementes, que irá disponibilizar R$ 16 mil por DAP (Declaração de Aptidão ao Pronaf), exigindo 5% das compras do PAA para sementes, sendo que hoje essas ocupam apenas 1,42%.

A nova resolução também propõe veto aos transgênicos, cadastro de ofertantes e novas demandas. Segundo o coordenador estadual do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA/SC), Anderson Munarini, seria necessário uma política pública específica para sementes, já que o PAA tem resoluções específicas para alimentos e não são praticáveis para o grupo de guardiões. “Só os guardiões sabem da dificuldade de manter essas sementes”, declara Anderson, referindo-se aos danos por contaminação por agrotóxicos e transgênicos nas propriedades vizinhas, que geram perdas e retrocesso ao trabalho dos guardiões.

Já para Alcemar Inhaia, presidente da Bionatur em Candiota, a expectativa com o PAA Sementes é grande para avançar em compras públicas que promovam segurança alimentar. Ele conta que graças às políticas públicas ampliou as variedades crioulas e varietais, passando de três para 40 crioulas e 110 espécies no total. Atualmente, beneficiam 20 toneladas de sementes por ano, produzidas em assentamentos, e ofertam kits de hortaliças a preço de R$ 64,00, que rendem em R$ 1.500,00 em alimentos para quem planta.