Pesquisa foi apresentada em Fórum Internacional em Campina Grande, PB

 

Nos dias 25, 26 e 27 de novembro, a cidade de Campina Grande, Paraíba, recebeu o VIII Fórum Internacional de Desenvolvimento Territorial “Ruralidade, Diversidade e Políticas Diferenciadas”. O evento discutiu os resultados de pesquisa sobre o conceito da ruralidade brasileira e suas implicações políticas. Fruto dessa pesquisa, o livro “Concepções da ruralidade Contemporânea: as singularidades brasileiras” foi lançado durante o Fórum.

Estiveram presentes atores sociais, representantes das organizações territoriais, gestores públicos, movimentos sociais, acadêmicos, entidades de fomento do Brasil e de outros países latino-americanos e europeus.

Redefinir o rural

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), a delimitação dos espaços rurais e urbanos no Brasil ainda remonta à definição eminentemente físico-geográfica, adotada nas décadas de 1940 e 1950, que demarca as áreas rurais por oposição e exclusão às áreas consideradas urbanas. Por não considerar as relações econômicas e sociais que constituem a base desses espaços, essa compreensão pode gerar distorções no planejamento e gestão das políticas públicas de desenvolvimento rural.

A partir dessa constatação a pesquisa, coordenada por Tânia Bacelar, propõe novas formas de caracterizar o campo e analisa como essas medidas se refletem nas políticas públicas, considerando a diversidade e as relações econômicas e sociais do espaço rural.

A pesquisa busca caracterizar o rural não como um conjunto homogêneo, mas a partir de uma tipologia com 26 itens. De acordo com a pesquisadora do Observatório da Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta Rackynelly Alves, que participou do Fórum, a proposta de tipologia considerou a diversidade regional e a forma de relacionamento com os espaços urbanos. Para isso foram consideradas várias dimensões (habitat, trabalho, condições de vida, variáveis econômicas e demográficas e políticas). As tipologias devem ser consideradas na escala nacional ou por bioma, o que permite diálogo com as políticas públicas Federais.

“Os autores do estudo apontam que as tipologias não devem ser vistas como o fim, mas um começo. Seria então um ponto de partida para bem compreender a ruralidade no aspecto que se queira investigar”, resume Rackynelly Alves.

Observatório presente

Alves esteve no evento para fazer contato com experiências que possam ser referência para o observatório. Nas conversas, ela constatou a necessidade de divulgação da existência da Política Nacional para a Saúde Integral das Populações do Campo e da Dloresta. “Falei do portal e um pouco da política que para minha surpresa, quase ninguém a conhece.”

 

Saiba mais

As notícias sobre o seminário estão na página http://iicaforumdrs.org.br/iica2011/home.

Lá, é possível encontrar áudio dos debates e as apresentações:

Áudio: http://www.iicaforumdrs.org.br/iica2011/noticias/lernoticia/885

Slides: http://www.iicaforumdrs.org.br/iica2011/noticias/lernoticia/881