Por Rafael Soriano,
Da Página do MST. Fonte: http://www.mst.org.br/node/15254

Diferentes regiões do Semiárido alagoano iniciaram em agosto as atividades do projeto Plantando Caju e Colhendo Desenvolvimento, iniciativa executada pelo Centro de Capacitação Zumbi dos Palmares, com patrocínio da Petrobrás.

Seiscentos agricultores e suas famílias serão beneficiados com formação e assessoria técnica com vistas à auto-organização e cooperação para organizar a produção de caju e culturas de subsistência.

Englobando a implantação das culturas, recuperação e conservação ambiental e agroindustrialização, a iniciativa deve interferir diretamente no incremento da renda das famílias e no desenvolvimento da região, com distribuição das riquezas geradas nos assentamentos.

O projeto visa promover o desenvolvimento sustentável com geração de renda e a garantia da segurança alimentar através da estruturação da cadeia produtiva do caju em consórcio com feijão e milho, em assentamentos rurais do sertão alagoano.

Assentamentos da Reforma Agrária das cidades de Inhapi, Delmiro Gouveia, Olho D’Água do Casado e Piranhas já passam pelo processo de mobilização das famílias e um viveiro de mudas de 600 m² começou a ser construído, rodeado por um jardim clonal, com nove variedades de caju, produzidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Este projeto foi aprovado em seleção pública e está contemplado no Programa Petrobrás Cidadania & Desenvolvimento. O projeto consiste na valorização dos saberes agrícolas tradicionais nas culturas em convivência com o Semiárido, como a do caju (neste caso, em consórcio com feijão e milho), com vistas a sua inserção qualificada no mercado.

A inclusão do beneficiamento do caju em agroindústria é parte componente da estratégia de organização cooperada da produção na região.

Marcada por longos períodos de estiagem, o território do Semiárido é conhecido pela situação calamitosa na qual ainda vivem milhões de famílias, apartadas de riquezas fundamentais, como a água.

É, contudo, a região de onde brotam alternativas de convívio com o clima semiárido, onde a agroecologia desponta como um modelo de cultivo, abastecimento e convívio com o meio ambiente, em contraponto ao modelo de mercado.

É neste cenário, em assentamentos organizados pelo MST, que atua o Centro Zumbi, voltada para a assistência técnica e extensão rural em toda Alagoas.

O Centro Zumbi atua em consonância com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), que tem entre suas funções a garantia de infraestruturas para o desenvolvimento dos assentamentos e a orientação para o acesso ao crédito em investimentos que estejam numa perspectiva de desenvolvimento que garanta às famílias as condições de permanência no campo.

As famílias que optarem por se inserir no projeto terão acesso a cursos de formação teórico-prática para desenvolver uma produção agroecológica sustentável, processamento e beneficiamento do caju e gestão e comercialização.

O processo que desencadeia na agroindustrialização do caju é precedido de uma fase de implantação das culturas, com recuperação dos solos, e de estruturação da agroindústria com aquisição de equipamentos adequados.

De acordo com Maria de Jesus, Mobilzadora e articuladora social, contratada pelo Centro Zumbi, “é grande a receptividade e expectativa das famílias assentadas com o projeto. Acreditamos que será uma experiência de sucesso”.

O programa Petrobrás Cidadania & Desenvolvimento é uma ação da estatal em parceria com organizações da sociedade civil que alia o crescimento da empresa com o desenvolvimento socioeconômico e ambiental do país.

A Seleção Pública 2012 tem a função de apoiar projetos sociais que contribuem para a promoção do desenvolvimento com igualdade de oportunidades e valorização das potencialidades locais.