O Partido dos Trabalhadores do Amazonas e diversos movimentos sociais vem a público repudiar  o assassinato  da Líder Comunitária Maria das Dores Santos Salvador Priante (Dona Dora), dia 12 de agosto, na comunidade Portelinha, município de Iranduba/AM, sequestrada e morta com 12 tiros. Dona Dora  lutava pela comunidade e contra pessoas que estavam ameaçando famílias para ganhar dinheiro com vendas irregulares de terras.
Dona Dora  foi retirada de dentro de sua casa e morta com vários tiros, a maioria no rosto e seu corpo abandonado num ramal. No mês de abril, ela e um grupo de mulheres, estiveram junto a Secretaria de Segurança do Estado, denunciando as perseguições e inúmeras ameaças registradas na delegacia de Iranduba e pedindo providências, contra uma pessoa envolvida na venda irregular de terras e drogas, e que se dizia “dono do pedaço” e amigo de policiais.
Em junho, Dona Dora voltou a denunciar na Assembleia Legislativa do Estado que já fizera mais de 18 Boletins de Ocorrência – BO, denunciando as ameaças de morte a ela e outros membros da Associação e que ela passava mais tempo em delegacia pedindo proteção do que articulando a luta da comunidade, e nada foi feito.
Este assassinato ocorrido no dia 12 de agosto foi semelhante ao que vitimou Margarida Maria Alves que deu origem a “Marcha das Margaridas” que esta semana levou milhares de mulheres as ruas, clamando por justiça, denunciando a violência contra as mulheres. Trata-se de um crime hediondo contra a vida, mas principalmente, contra a sociedade que busca se organizar e lutar por seus direitos. Por tanto, exigimos celeridade, transparência e rigor nas investigações para que os culpados sejam exemplarmente punidos.
Exigimos ainda que o Governo do Estado promova uma sindicância e apure por que os mais de 18 BO não foram suficientes para garantir a vida de Dona Dora e apresente soluções para que evite que novas lideranças e principalmente os familiares de Dona Dora e membros da Associação Comunitária Portelinha venham a sofrer novas perseguições e violências.
Por fim o Partido dos Trabalhadores e os movimentos sociais exigem a garantia do direito à organização, à luta e à vida dos trabalhadores e das trabalhadoras, seja no campo ou na cidade para que prevaleça o estado democrático e de direito em nosso Estado.
Valdemir Santana
Presidente do Diretório Estadual
Luquésia Mustafa Paes de Lemos
Presidente do Diretório Municipal
José Ricardo Wendling
Deputado Estadual PT/AM