Fonte: TV Globo

Medida visa fiscalizar e evitar abuso no uso de agrotóxicos por produtores.
Pimentão, cenoura e morango têm alto índice de contaminação, diz pesquisa.

 

Assista aqui ao vídeo da notícia.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) vai rastrear a distribuição de verduras, legumes e frutas em todo o país. A medida é para facilitar a fiscalização sobre o abuso dos agrotóxicos por produtores. Um estudo comprovou que há resíduos acima do nível permitido.

Oswaldo Mazieiro produz morangos há 44 anos no interior de São Paulo. Diz que sempre usou agrotóxicos, mas conseguiu diminuir a aplicação do produto.

“Usar o menos possível significa bem para todos inclusive até para o bolso da gente”, acredita o produtor rural.

Para a agência nacional de vigilância sanitária ainda há muitas irregularidades na produção de frutas e verduras no país. A Anvisa encontrou excesso no uso de agrotóxicos ou resíduos de produtos químicos não autorizados em seis de 13 alimentos analisados em 2011 e 2012.

O pimentão é o que tem mais agrotóxico: 89%. Índices acima do permitido também foram encontrados na cenoura (67%), morango (59%), pepino (44%), alface (43%) e abacaxi (41%).

Um susto para quem acredita que o consumo de verduras e frutas é o caminho para uma alimentação saudável.

“Isso pra mim é uma surpresa”, diz uma consumidora.

“A gente se preocupa com a saúde da família da gente”, fala outra.

Em alguns mercados, até têm produtos naturais. Mas a diferença de preço é grande. A alface comum, por exemplo, custa menos de R$ 1,50, a orgânica, quase R$ 7.

Olhando não dá para saber se o produto tem muito ou pouco agrotóxico. Na hora de fazer a compra, o consumidor não tem qualquer informação sobre a origem dos alimentos, onde foram produzidos. A Anvisa diz que agora quer fazer um mapeamento dos produtores.

“Nós temos que saber desse alimento com problema, onde ele foi cultivado, quem é o agricultor responsável pelo fornecimento dele. E verificar se de fato é falta de produto, se de fato é falta de orientação, ou se é alguma questão de mercado que move essa utilização indevida do produto”, diz o presidente da Anvisa, Dirceu Barbano.

A Anvisa também identificou dois tipos de agrotóxicos que nunca foram registrados no Brasil e suspeita de contrabando.

Para o chefe do departamento de Saúde Coletiva da UNB, Fernando Carneiro, falta controle sobre o uso de produtos químicos. “A fiscalização do uso de agrotóxico no Brasil é praticamente inexistente. É um alerta para todos que isso tem que ser revertido”, afirma o professor.

A Anvisa vai criar um grupo de trabalho para fazer esse rastreamento.

 

Edição do dia 30/10/2013
30/10/2013 09h16 – Atualizado em 30/10/2013 09h16