Estão abertas as inscrições para o curso a distância “Saúde das Populações do Campo, da Floresta e das Águas”.

O curso elaborado pelo Ministério da Saúde em parceria com a Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS), voltado aos profissionais de saúde, especialmente os que atuam na Atenção Básica, mas também é aberto a qualquer pessoa interessada no tema, independente da área de formação, incluindo gestores do SUS, conselheiros de saúde e lideranças e ativistas ligados à temática sociais.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até o dia 10 de outubro no site da UNA-SUS

Sobre o curso:

O objetivo é provocar a reflexão sobre como processos de trabalho e modos de vida das Populações do Campo, da Floresta e das Águas podem interferir nos processos de saúde-doença. A ideia é, a partir desses conhecimentos, contribuir para transformar práticas de cuidado e melhorar o acesso aos serviços de saúde para essas populações.

Para diretora do Departamento de Apoio a Gestão Participativa da Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde (DAGEP/SGEP/MS), Kátia Souto, “o curso compõe o desafio da educação permanente para o SUS, buscando dialogar com os profissionais de saúde e sensibilizar os gestores. Por isso a proposta é dar visibilidade dos modos de vida dessas populações e suas condições de saúde e acesso ao SUS, ajudando a repensar as formas de organizar e trabalhar a atenção à saúde apoiando a implementação da Política Nacional de Saúde das Populações do Campo, da Floresta e das Águas nos estados e municípios”.

BALANÇO DE INSCRIÇÕES – Até agora a maior parte das pessoas que se inscreveram no curso é formada por profissionais de outras áreas, incluído gestores que atuam com essa população e integrantes de movimentos sociais. Entre o total de inscritos 30% são de profissionais de saúde, dentre esses os enfermeiros, técnicos/auxiliares de enfermagem, médicos e agentes comunitários de saúde foram os que mais buscaram o curso.

A maior parte desses profissionais atua em centros de saúde ou unidades básicas de saúde, seguidos de hospitais gerais e secretarias de saúde. Já entre os estados que contabilizam o maior número de inscrições está o Ceará, seguido de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná.

SOBRE O CURSO – Ocurso é autoinstrucional e interativo, utilizando momentos de reflexão, vídeos e infográfico. No total são 45 horas aula divididas em três unidades de aprendizagem que tratam sobre: os modos de vida e a situação de saúde das populações do campo, da floresta e das águas; vigilância e da promoção da saúde dessa população; e atenção à saúde e práticas de cuidado.

Por ser ofertado na modalidade de ensino à distância, o curso permite ao usuário flexibilidade para administrar os horários de estudo e execução das tarefas. Além disso, possui tecnologia de ajuste automático do conteúdo aos diversos tamanhos de telas disponíveis no mercado, o que possibilita ao usuário a realização do curso a partir de tablets e smartphones.

O conteúdo foi desenvolvido de forma intersetorial e participativa, a partir de uma parceria entre as Secretarias de Gestão Estratégica e Participativa (SGEP) e de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde (SGTES) do Ministério da Saúde e a Universidade Federal do Ceará (UFC), que integra a Rede de Instituições Ensino Superior da UNA-SUS, e contou também com a colaboração do Grupo da Terra.

O Grupo da Terra é um espaço consultivo de participação social do Ministério da Saúde que conta com a representação de outros órgãos do governo e movimentos sociais ligados à temática do campo, da floresta e das águas, os quais contribuíram, a partir de suas vivencias e realidades, com a validação dos conteúdos do curso.

Assista o vídeo sobre o curso: https://www.youtube.com/watch?v=28nkBjOwxtg