­

About alantygel

This author has not yet filled in any details.
So far alantygel has created 167 blog entries.

III Chamado da Floresta

O Conselho Nacional das Populações Extrativistas - CNS, entidade de representação e defesa dos interesses das Populações Extrativistas, legitimado e imbuído do compromisso em lutar pela conservação de nossas florestas e pela melhoria da qualidade de vida da população que nela habita, realizará a Jornada de Luta – O III CHAMADO DA FLORESTA. Ao cumprir 30 anos de luta do CNS pela criação e implementação dos Territórios de Usos Coletivo (RESEXs RDS PAEs PDS), trazemos como foco o chamado a Juventude Extrativista, visando a continuidade da luta e dos enfrentamentos aos novos desafios. Por isso o tema central é: CONSOLIDAÇÃO DOS TERRITÓRIOS DE USO COLETIVO E SUSTENTÁVEL: Juventude, Floresta Conservada é Vida Continuada. Data: 27 a 28 de outubro de 2015. Local: Comunidade São Pedro – Resex Tapajós Arapiuns – Santarém-PA/Brasil O Chamado da Floresta visa reunir lideranças extrativistas de Territórios de Uso Coletivo e Sustentável de todo o Brasil, em especial da Amazônia, a fim de debaterem estratégias de ação para o biênio 2016/2017 em relação a pauta que trata de Política de Reforma Agrária; Plano de Manejo, Sistema de Assistência Técnica e Extensão Rural -ATER, fomento/crédito, infra-estrutura básica: geração de energia elétrica, captação e distribuição de água, Saneamento, Habitação, vias de acesso, Sistema de saúde, Política educacional, serviços ambientais, criação de novos Territórios de Uso Coletivo Sustentável e combate à violência. O III Chamado da Floresta é construído com a participação no debate dos temas que compõem a pauta de negociação, de mais de três mil lideranças, que representam diretamente 3.000 famílias, e aproximadamente 150 mil famílias indiretamente, moradoras dos Territórios de Uso Coletivo e Sustentável, (RESEX, PAE, RDS, FLONA, PDS), assim como milhares de outras famílias que moram em áreas extrativistas ainda não destinadas em todo o País.

By |7/10/2015|Notícias sobre Saúde do Campo e da Floresta|Comentários desativados em III Chamado da Floresta

teste medium

"Pesquisar com" e a Ecologia de Saberes Um relato de posdoutoramento Foto: Bernardo Vaz, Casa José de Alencar da Universidade Federal do Ceará Fernando Ferreira Carneiro — Pesquisador da Fiocruz Ceará e Núcleo de Estudo de Saúde Pública da Universidade de Brasília. Boaventura de Sousa Santos Supervisor — CES/Coimbra — Projeto Alice Prólogo ao relato Acho que os relatos científicos deveriam ser lidos como os livros de romance. Por isso decidi escrever um relato para ser lido, ou melhor, que permitisse uma viagem pelas vivências descritas para um grupo de leitores que vai além da minha área de conhecimento ou de meus pares, com foco no ano de 2014. Isso já ajuda explicar a seleção do formato web…que permite o uso e abuso de imagens, filmes, links e etc…e nos estimula a pesquisarmos e aprofundarmos o que nos interessa no relato de forma mais dinâmica. Já alerto ao leitor que os produtos científicos, stricto sensu, do posdoutoramento, não estão aqui, estão apenas referenciados para acesso. Eles foram desenvolvidos em outras linguagens e formatos, como artigos científicos já publicados e em elaboração, fruto desse fértil período de vinculação com o CES/Coimbra, Projeto Alice e a UPMS. Descobri a ferramenta “Medium” para ajudar nessa tarefa ao ler um relato sobre o Congresso Nacional do MST de 2014, enviado pelo colega Alan Tygel do Movimento. Como, por enquanto, tudo é fácil e gratuito achei a ferramenta muito interessante. Boa leitura!! “Os cientistas dizem que somos feitos de átomos, só que um passarinho me contou que somos feitos de histórias.” (Eduardo Galeano) Sumário 1. Como nasceu a ideia do pós doutoramento no CES? 2. O começo do pós doutorado 3. A prática do pesquisar-com e a Ecologia de Saberes 4. A pesquisa de campo no [...]

By |20/02/2015|Sem categoria|Comentários desativados em teste medium

Matutando – n. 5 – Agosto/Setembro/Outubro de 2014

Matutando - Boletim Mensal do Observatório da Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, Floresta e Águas - Teia de Saberes e Práticas - Número 05 - Agosto/Setembro/Outubro-2014

By |30/09/2014|Boletim Mensal|Comentários desativados em Matutando – n. 5 – Agosto/Setembro/Outubro de 2014

A saúde no campo e na floresta esta na agenda política das eleições presidenciais?

por Fernando Ferreira Carneiro Os protestos de junho de 2013 pressionaram a agenda política brasileira para que a saúde, a educação e a mobilidade urbana fossem temas a serem priorizados. O descompasso com a agenda do Congresso Nacional ficou evidente, como ocorreu com as mudanças no Código Florestal ou as tentativas de liberalizar a regulação dos agrotóxicos. A partir desse fato ficou patente a necessidade de uma Reforma Política que pudesse mudar o sistema brasileiro que fez do legislativo um espaço de hegemonia das bancadas ruralista, empresarial, evangélica dentre outras. Poucos trabalhadores são representados lá hoje. O Plebiscito pela Reforma Política é o mais claro exemplo onde milhares de brasileiros expuserem seu desejo de mudança na forma de se fazer política no Brasil. Mas o que podemos dizer sobre o que está acontecendo hoje no debate eleitoral em relação a saúde no campo e na floresta? A iniciativa do Programa Mais Médicos virou um dos focos das atenções, pois se tornou a ação mais evidente do Governo Dilma frente ao desafio do acesso a saúde nas áreas mais remotas do país. Nos debates se discutem estratégias para atrair mais médicos brasileiros para essas regiões, a necessidade de se estimular a formação médica para atuar frente as necessidades do SUS e não prioritariamente para o mercado. Outra tema importante foi a saída do Brasil do Mapa da Fome mundial da ONU(http://www.fao.org/3/a-i4030e.pdf). Isso mostra os resultados de algumas políticas públicas voltadas justamente para as populações rurais, pois a fome ainda se concentra nessas regiões, principalmente nas áreas de grande latifúndio. Avaliamos que o Mais Médicos representa melhora no acesso ao SUS, mas para atuarmos sobre a determinação social na saúde ainda vamos precisar de muitos Mais Saneamento [...]

By |30/09/2014|Notícias do Observatório|Comentários desativados em A saúde no campo e na floresta esta na agenda política das eleições presidenciais?

Vandana Shiva: As entrelinhas das guerras por alimentos

Fonte: Articulação Nacional de Agroecologia, do La Jornada (México)   Por Vandana Shiva, no La Jornada. A Monsanto e seus amigos na indústria biotecnológica, seus lobistas e seus representantes pagos nos meios de comunicação continuam incentivando o controle monopólico dos alimentos no mundo mediante sua oferta de sementes. Esse império é construído sobre argumentos falsos: que a Monsanto é a criadora/inventora da vida, e portanto pode ser a proprietária das sementes através de patentes, e que a vida pode ser produzida com engenharia e máquinas, como um iPhone. Pela ecologia e pela nova biologia sabemos que a vida é uma complexidade organizada por si mesma: ela se constrói sozinha, e não é possível manufatura-la. Isso se aplica também à produção de alimentos mediante a nova ciência da agroecologia, a qual nos brinda com um conhecimento científico mais profundo sobre os processos ecológicos a nível do solo, as sementes vivas. As promessas da indústria biotecnológica – maiores rendimentos, redução do uso de agrotóxicos e controle de ervas daninhas e pragas – não se cumpriram. No mês passado, um fundo de investimentos processou a DuPont em um bilhão de dólares por promover cultivos resistentes a herbicidas sabendo que não poderiam controlar as ervas daninhas, que por sua vez contribuíram para o surgimento de “super-ervas-daninhas”. Ao criar a propriedade das sementes mediante patentes e direitos de propriedade intelectual, e impô-la ao planeta através da Organização Mundial do Comércio, a indústria biotecnológica estabeleceu um império monopólico sobre as sementes e os alimentos. Além de reclamar a propriedade das sementes que vende e cobrar royalties, em matérias de controles e equilíbrios sobre a segurança a indústria biotecnológica destrói sistematicamente leis nacionais e internacionais relativas à biosegurança, afirmando que “seus produtos [...]

By |29/07/2014|Feeds, Notícias sobre Saúde do Campo e da Floresta|Comentários desativados em Vandana Shiva: As entrelinhas das guerras por alimentos

Caso Zé Maria: interrogatório dos réus

Fonte: Campanha Contra os Agrotóxicos No próximo dia 31 de julho, às 9h, na sede da Justiça Estadual de Limoeiro do Norte, será realizado o interrogatório dos réus no processo que apura o assassinato de José Maria Filho, o Zé Maria do Tomé. Zé Maria foi executado em 21 de abril de 2010, com mais de 20 tiros à queima roupa, em típica ação de pistolagem, na localidade de Tomé, município de Limoeiro do Norte, Ceará, próximo à sua residência. Liderança comunitária e ambientalista, Zé Maria foi assassinado por denunciar as consequências da pulverização aérea de agrotóxicos e irregularidades na concessão de terras nos perímetros irrigados da região da Chapada do Apodi. O homicídio ocorreu meses após a promulgação, em 20 de novembro de 2009, da lei municipal de nº 1.278/2009, que proibia a pulverização aérea de agrotóxicos no município de Limoeiro do Norte. Essa iniciativa inédita foi resultado da pressão de organizações, movimentos populares e pesquisadores, e ganhou repercussão internacional, ao banir a pulverização aérea de agrotóxicos. As empresas do agronegócio da região não cumpriam o disposto na Lei 1.278/2009 e então José Maria Filho tornou-se a principal voz nas denúncias sobre as ilegalidades. Após sua morte, transcorreu uma demorada investigação policial, até que em 26 de junho de 2012, dois anos após o assassinato, o Ministério Público ofereceu denúncia contra João Teixeira Júnior (proprietário da empresa Frutacor), José Aldair Gomes Costa (gerente da citada empresa), Antônio Wellington Ferreira Lima e Francisco Marcos Lima Barros (os dois últimos moradores da comunidade Tomé) pelo homicídio. O primeiro denunciado é um dos maiores empresários do agronegócio no Ceará. O suposto executor fora assassinado em julho de 2010 em uma ação policial. O processo que trata do [...]

By |29/07/2014|Feeds, Notícias sobre Saúde do Campo e da Floresta|Comentários desativados em Caso Zé Maria: interrogatório dos réus

Mapa das Feiras Orgânicas do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec)

Fonte: Articulação Nacional de Agroecologia   Com o objetivo de tornar os produtos orgânicos mais acessíveis aos consumidores e fomentar uma alimentação saudável, o Idec realiza o Mapa de Feiras Orgânicas e Grupos de Consumo Responsável. Basta digitar um endereço para encontrar todas as feiras especializadas e grupos de consumo responsável mais próximos de você, bem como informações de horários de funcionamento e tipos de produtos encontrados nesses locais. Além disso, o mapa mostrará quais são as frutas, verduras e legumes da estação na sua região para que opte pelos produtos locais. Dica: Caso o mapa não mostre nenhuma feira próxima ao endereço buscado, clique em "diminuir o zoom" (sinal de menos na régua localizada no canto superior direito do mapa). Clique quantas vezes for necessário até aparecerem as indicações de localidade das feiras. Veja o mapa no site do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor  

By |29/07/2014|Feeds, Notícias sobre Saúde do Campo e da Floresta|Comentários desativados em Mapa das Feiras Orgânicas do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec)

Matutando – n. 4 – Maio/Junho/Julho de 2014

Matutando - Boletim Mensal do Observatório da Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, Floresta e Águas - Teia de Saberes e Práticas - Número 04 - Maio/Junho/Julho-2014

By |19/07/2014|Boletim Mensal|Comentários desativados em Matutando – n. 4 – Maio/Junho/Julho de 2014

Movimentos lançam manifesto a favor da Política Nacional de Participação

Fonte: Radioagência Brasil de Fato Por Leonardo Ferreira, em 20/06/2014 Manifesto aponta que “o decreto contribui para a ampliação da cidadania”. Lançada no final de maio, política nacional é uma resposta às mobilizações de junho e busca participação no governo Movimentos sociais, juristas e entidades lançaram um manifesto de apoio e defesa à Política Nacional de Participação Social. Lançada no final de maio, a política nacional é uma resposta às mobilizações de junho e tem o objetivo de fortalecer e articular mecanismos e as instâncias democráticas de diálogo entre o Estado e a sociedade civil. Para os movimentos, a presidenta Dilma Rousseff, ao assinar decreto que cria mecanismos de participação social na administração pública, através de conselhos populares consultivos, fez sua obrigação de regulamentar o que a Constituição Federal prevê desde 1988. O manifesto aponta que “o decreto contribui para a ampliação da cidadania de todos os atores sociais, sem restrição ou privilégios de qualquer ordem, reconhecendo, inclusive, novas formas de participação social em rede.” Os movimentos reagem ao que chamam de “histeria geral da direita, nos seus meios de comunicação e no parlamento”, referindo-se à parlamentares e setores da sociedade que são contra a iniciativa do governo. Em defesa do decreto, os movimentos coletam assinaturas pela internet até o dia 25 de junho, quando serão entregues ao presidente do Congresso Nacional, Renan Calheiros. Além disso, sugere que sejam enviadas mensagens diretamente ao presidente do Congresso. Leia a Íntegra do manifesto em favor da Política Nacional de Participação Social “Em face da ameaça de derrubada do decreto federal n. 8.243/2014, nós, juristas, professores e pesquisadores, declaramos nosso apoio a esse diploma legal que instituiu a Política Nacional de Participação Social. Entendemos que o decreto traduz o espírito republicano da [...]

By |9/07/2014|Notícias sobre Saúde do Campo e da Floresta|Comentários desativados em Movimentos lançam manifesto a favor da Política Nacional de Participação

Veja a relação entre a PNSIPCF e outras políticas públicas

Acesse a primeira versão do relatório Análise das Políticas Públicas em Interface com a Política Nacional De Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta (PNSIPCF) O relatório está aberto a contribuições. É só escrever um comentário abaixo!

By |29/05/2014|Notícias do Observatório|Comentários desativados em Veja a relação entre a PNSIPCF e outras políticas públicas